Pular para o conteúdo

Instalação simplificada do Arch Linux com pós instalação minimalista

Introdução

Arch Linux é uma distribuição GNU /Linux de uso geral, compilada exclusivamente para a arquitetura Intel x86_64 (em janeiro de 2017 foi anunciada a descontinuação do suporte a arquitetura i686) empenhada em fornecer as últimas versões estáveis da maioria dos softwares, seguindo um modelo de lançamento contínuo (rolling-release).

Arch Linux se baseia em cinco diretrizes: simplicidade; modernidade; pragmatismo; foco no usuário; versatilidade.

A instalação padrão é um sistema base mínimo, configurado pelo usuário para adicionar apenas o que seja propositalmente necessário.

Se você:

  • não tem habilidade, tempo, ou desejo para se dedicar a uma distribuição GNU/Linux do tipo "faça você mesmo";
  • precisa de suporte a uma arquitetura diferente de x86_64;
  • insiste em usar uma distribuição que só fornece software livre conforme definido pela GNU;
  • acredita que um sistema operacional deve se autoconfigurar, vir pronto para usar e incluir um conjunto padrão completo de softwares e ambiente de área de trabalho na mídia de instalação;
  • não deseja uma distribuição GNU/Linux de lançamento contínuo (rolling release);
  • Provavelmente você pode não querer usar o Arch e está satisfeito com seu sistema operacional atual.

O Arch Linux segue o FHS (em português, hierarquia de sistema de arquivos) para sistemas de arquivos usando o gerenciador de serviço systemd.

O Arch não foi projetado para nenhum tipo de uso específico (distribuição de uso geral). Em vez disso, ele é projetado para um determinado tipo de usuário. O Arch visa usuários competentes que gostam de sua natureza faça você mesmo (DIY) e que a exploram para moldar o sistema para atender às suas necessidades exclusivas. Portanto, nas mãos de sua base de usuários alvo, o Arch pode ser usado praticamente para qualquer propósito. Muitos usam o Arch em seus desktops e estações de trabalho. E, claro, o archlinux.org é executado no Arch.

Veremos aqui aspectos de sua instalação.

Instalação

Toda instalação pode ser dividida em três períodos, antes, durantes e depois da instalação.

O antes inclui definir a distribuição a utilizar, criar o plano de instalação, obter a distribuição, ultimar preparativos da instalação.

A própria instalação, ou o durante, consiste em algumas, ou muitas, operações que visam particionar e formatar discos rígidos, transferir a imagem do sistema para o disco, efetuar configurações básicas.

O depois pode ser resumido a fazer ajustes conforme necessidades específicas de aplicação, instalar pacotes adicionais e efetuar configurações mais detalhadas.

Para elaboração deste texto teremos como objetivo instalar o Arch Linux.

Pré-instalação

No URL <https://www.archlinux.org/download/> estão disponibilizados os endereços de diversos espelhos para o download do Arch Linux onde é possível escolher o mais apropriado para baixar a imagem do “disco de instalação”. Tomando como base a imagem de 1º de setembro de 2018, seu tamanho é de 571 M bytes (598.736.896 bytes) o que dependendo da velocidade de conexão e do espelho selecionado pode demorar entre 40 segundos e até 20 minutos, ou mais, de download.

Esta imagem pode ser gravada em um CD, um DVD, ou um flash drive (pen-drive) para efetuar a instalação. Se seu sistema for um Windows 7, ou mais recente, as mídias ópticas podem ser gravadas sem programas adicionais, já para gravar em flash drives um programa adicional, por exemplo o rufus (download em <https://rufus.akeo.ie/>), ou outro equivalente, será necessário.

O planejamento da instalação envolve determinar o particionamento pretendido das unidades de disco, o padrão de teclado disponível para o console, localização geográfica e fuso horário pretendidos para uso e operação.

A seguir de forma simplificada apresentam-se os itens planejados para esta instalação:

Tabela 1: Plano de instalação simplificado

Plano de Instalação Arch Linux

Layout do TecladoABNT2
Localização América do Sul; Brasil; São Paulo
Fuso horárioUTC -3:00
Particionamento1 - sda1 física 500 MB /boot ext4
2 - sda2 física 3,5 GB /var ext4
3 - sdb1 física 10 GB / ext4
4 - sdc1 física 2G swap
NOTA: Para efeito deste artigo foi adotado um particionamento simplista

Um requisito adicional da instalação é acesso à Internet para obtenção de pacotes de repositório remoto conforme requeridos.

Efetuando a instalação

Carregando a mídia com a imagem da distribuição e iniciando o computador será apresentado um menu de seleção de ações, como mostra a Figura 1 a seguir.

Tela com menu inicial do Live CD Arch Linux
Figura 1: Boot do Live CD do Arch Linux

As seis opções de menu do Live CD do Arch Linux

Boot Arch Linux (x86_64)
Boot existing OS
Run Mentest86+ (RAM test)
Hardware Information (HDT)
Reboot
Power Off

As ações de cada opção são:

Boot Arch Linux (x86_64) executa o sistema contido na mídia, com a qual faremos as operações de instalação nesta oportunidade.

Boot existing OS executa o sistema presentemente instalado nos discos do sistema.

Run Mentest86+ (RAM test) roda o diagnóstico de memória.

Hardware Information (HDT) executa detecção de hardware e exibe suas informações.

Reboot reinicializa a máquina que contém a mídia.

Power Off efetua o desligamento da máquina.

Utilizando a primeira opção do menu inicia-se o Arch Linux do Live CD e obtém-se o prompt de comando com credenciais de root.

Tela do processo de iniciação do Arch Linh
Figura 2: Processo de boot do Arch Linux do Live CD
Prompt de comando do Live CD Arch Linux, com o usuário root logado automaticamente
Figura 3: Prompt de comando como root autologado no Arch Linux do Live CD

A partir daqui serão pouco mais de 35 passos para concluir a instalação e então passar à pós instalação.

 

Configuração de teclado

Uma vez que, por padrão, a configuração de teclado é o layout americano e o plano de instalação solicita teclado no padrão ABNT2 é recomendável iniciar por essa configuração de forma a facilitar a operação do teclado do console.

É possível verificar os layouts disponíveis na árvore de diretório /usr/share/kbd/keymaps/ onde estão todos os arquivos de mapeamento de layout de teclado disponíveis no Arch Linux, que atualmente somam pelo menos 216 deles como mostra a saída do comando a seguir que lista todos os mapeamentos disponíveis:

Código  1: Exibição de mapas de teclado

# ls /usr/share/kbd/keymaps/**/*.map.gz

A configuração é efetivada com o comando mostrado a seguir:

Código  2: Comando de seleção de mapa do teclado

# loadkeys br-abnt2

 

Configuração de caracteres exibíveis

De forma semelhante aos layouts de teclado, há diversos conjuntos de caracteres exibíveis diferentes, em função das características idiomáticas diversas a serem contempladas.

Para a localização do sistema, segundo o plano de instalação, o conjunto de caracteres que melhor se adequa é o denominado lat0-16, que é assumido a partir do comando mostrado abaixo:

Código  3: Comando de seleção de conjunto de caracteres

# setfont lat0-16

 

Configurar o locale (localização)

A localização do sistema como solicitado no plano de instalação leva à necessidade de ajustar o arquivo locale.gen (gravado no diretório /etc/) utilizado como base de configuração para o comando de mesmo nome.

Por padrão o ajuste en_US.UTF-8 UTF-8 está habilitado e em cumprimento ao plano de instalação deve-se ‘descomentar’ (eliminar o caractere # do início da linha) a linha contendo pt_BR.UTF-8 UTF-8, correspondente à localização desejada.

Para tanto deve-se utilizar o editor de texto de maior familiaridade para levar a cabo a alteração. O Live CD do Arch conta com o nano e com o vi instalado e operativos.

Exemplos de comando para edição do arquivo de configuração:

Código  4: Edição o arquivo de geolocalização

# nano /etc/locale.gen

# vi /etc/locale.gen

Criação do arquivo de configuração de idioma

Uma vez ajustado o arquivo locale.gen, pela execução do comando locale-gen são criados os necessários arquivos de localização para o sistema.

Em seguida deve-se exportar a variável LANG com o novo valor (pt_BR.UTF-8) e opcionalmente gerar o arquivo locale.conf (no diretório /etc) com a mesma definição de variável.

A sequência de comando é mostrada abaixo

Código  5: Comandos de ajuste idiomático

# locale-gen
# export LANG=pt_BR.UTF-8
# echo "LANG=pt_BR.UTF-8" > /etc/locale.conf

 

Conexão à Internet via cabo ou Wi-Fi

Por padrão a conexão a cabo para rede vem habilitada, no entanto, pode ser conveniente garantir essa habilitação. Isto pode ser feito com a utilização do comando dhcpcd, nos moldes a seguir para forçar uso de IPv4 ou de IPv6.

Código  6: Comandos de ativação de subsistema de rede fiada

#dhcpcd --ipv4only

#dhcpcd --ipv6only

Se a instalação da máquina provê conexão por Wi-Fi, utilizando o seguinte comando esta é habilitada.

Código  7: Comando de ativação de subsistema de rede sem fio

# wifi-menu

 

Teste da conexão à Internet

Para verificar o sucesso da configuração da interface de rede e sua conexão à Internet basta um ping.

Conforme configurado no passo anterior o ping deve ser emitido em IPv4 ou IPv6 conforme exemplos.

Código  8: Comandos de teste de conexão

# ping -4 archlinux.org

# ping -6 archlinux.org

 

Determinar discos rígidos detectados

Com uma busca na saída do comando dmesg pela string sd poderão ser determinados os discos rígidos detectados.

Abaixo exemplo de execução do comando e um sistema com um disco rígido, previamente particionado e formatado.

Código  9: Exibição da detecção de discos

# dmesg | grep sd
[    4.637391] sd 1:0:0:0: [sda] 8388608 512-byte logical blocks: (4.29 GB/4.00 GiB)
[    4.637399] sd 1:0:0:0: [sda] Write Protect is off
[    4.637401] sd 1:0:0:0: [sda] Mode Sense: 00 3a 00 00
[    4.637413] sd 1:0:0:0: [sda] Write cache: enabled, read cache: enables, doesn't support DPO or FUA
[    4.637881] sd 1:0:0:0: [sda] Attached SCSI disk
[    4.638103] sd 3:0:0:0: [sdb] 20971520 512-byte logical blocks: (10.7 GB/10.0 GiB)
[    4.638110] sd 3:0:0:0: [sdb] Write Protect is off
[    4.638112] sd 3:0:0:0: [sdb] Mode Sense: 00 3a 00 00
[    4.638124] sd 3:0:0:0: [sdb] Write cache: enabled, read cache: enables, doesn't support DPO or FUA
[    4.638548] sd 3:0:0:0: [sdb] Attached SCSI disk
[    4.638827] sd 4:0:0:0: [sdc] 4194304 512-byte logical blocks: (2.15 GB/2.0 GiB)
[    4.638834] sd 4:0:0:0: [sdc] Write Protect is off
[    4.638836] sd 4:0:0:0: [sdc] Mode Sense: 00 3a 00 00
[    4.638848] sd 4:0:0:0: [sdc] Write cache: enabled, read cache: enables, doesn't support DPO or FUA
[    4.639248] sd 4:0:0:0: [sdc] Attached SCSI disk

 

Uma alternativa ao método acima é utilizando o comando lsblk.

Código  10: Comando alternativo de exibição de discos

# lsblk
NAME   MAJ:MIN RM   SIZE RO TYPE MOUNTPOINT
loop0    7:0    0 459,6M  1 loop /run/archiso/sfs/airootfs
sda      8:0    0     4G  0 disk
sdb      8:16   0    10G  0 disk
sdc      8:32   0     2G  0 disk
sr0     11:0    1   571M  0 rom  /run/archiso/bootmnt

 

Particionar o(s) disco(s)

Com uma ferramenta de particionamento a escolha, Arch Linux Live CD conta com no mínimo três ferramentas: fdisk; cfdisk; e parted, efetua-se o particionamento conforme o plano de instalação.

 

Formatar as partições

Comandos específicos para formatar partições de dados e de swap serão utilizados neste ponto do processo de instalação, conforme exemplificado a seguir:

Código  11: Comandos de formatação de partições

# mkfs.ext4 /dev/sda1
# mkfs.ext4 /dev/sda2
# mkfs.ext4 /dev/sdb1
# mkswap /dev/sdc1

 

Ativar e testar a partição swap

O comando swapon é utilizado para ativar partições swap. O mesmo comando pode ser utilizado para verificação da partição swap. Há também a possibilidade de utilizar o comando free com a opção -h.

A sequência de comandos a seguir efetua as tarefas descritas.

Código  12: Comandos de ativação e verificação de partição swap

# swapon /dev/sdc1
 
# swapon -s
Nome do arquivo    Tipo         Tamamnho    Usado  Prioridade
/dev/sdc1          partition    2096124 0   -2
 
# swapon --show
NAME      TYPE      SIZE USED PRIO
/dev/sdc1 partition   2G   0B   -2
 
# free -h
       total   usada   livre   compart.   buff/cache   disponível
Mem.:  988Mi    47Mi   639Mi       78Mi        302Mi        726Mi
Swap:  2,0Gi      0B   2,0Gi

 

Criar pontos de montagem e montar as partições

Tudo relacionado aos discos rígidos estando configurado, particionado e formatado deve-se montar as partições em seus pontos de montagem devidos. Conforme o plano de instalação monta-se na ordem:

Tabela 2: Pontos de montagem das partições

 PartiçãoComandos
1raizmount /dev/sdb1 /mnt
2bootmkdir /mnt/boot
mount /dev/sda1 /mnt/boot
3varmkdir /mnt/var
mount /dev/sda2 /mnt/var

Inspeção das partições montadas em seus pontos

Utilizando o comando lslbk é possível verificar o layout das partições, agora montadas em seus respectivos pontos, verificando o seguimento do plano de instalação.

Código  13: Exibição de discos e partições montadas

# lsblk
NAME   MAJ:MIN RM   SIZE RO TYPE MOUNTPOINT
loop0    7:0    0 459,6M  1 loop /run/archiso/sfs/airrootfs
sda      8:0    0     4G  0 disk
|-sda1   8:1    0   500M  0 part /mnt/boot
\-sda2   8:2    0   3,5G  0 part /mnt/var
sdb      8:16   0    10G  0 disk
\-sdb1   8:17   0    10G  0 part /mnt
sdc      8:32   0     2G  0 disk
\-sdc1   8:33   0     2G  0 part [SWAP]
sr0     11:0    1   571M  0 rom  /run/archiso/bootmnt

 

Instalação dos pacotes base

Com o script pacstrap é efetivada a instalação dos pacotes componentes do sistema base.

O comando que instala tais pacotes está abaixo:

Código  14: Comando de instalação do Sistema Operacional

# pacstrap /mnt base

 

Geração do arquivo fstab

Com o comando genfstab é criado o arquivo fstab que controla a montagem dos discos na partida do S.O.

Código  15: Comando de geração de do arquivo FSTAB

# genfstab -p /mnt/ >> /mnt/etc/fstab

A execução resulta em um arquivo com a seguinte aparência

Código  16: Conteúdo do arquivo FSTAB gerado

# Static information about the filesystems.
# see fstab(5) for details.
 
# <file system> <dir> <type> <options> <dump> <pass>
# UUID=a1bd3368-cb9a-4c13-a433-70a1e6aa615a
/dev/sdb1    /           ext4   rw,realtime       0 1
 
# UUID=9830efdf-8b57-42e3-9eac-c297dcf90f55
/dev/sda1    /boot       ext4   rw,realtime       0 2
 
# UUID=12978d75-161b-4ddc-ad25-2de316de4c07
/dev/sda2    /var        ext4   rw,realtime       0 2
 
# UUID=7868db81-8c32-4de5-b54e-847bf34bbd5e
/dev/sdc1    none        swap   defaults,pri=-2   0 0

Caso seja desejado pode-se editar o arquivo com nano, vi, ou vim.

 

Criar ambiente chroot

O script arch-chroot que integra o pacote arch-install-scripts, monta sistemas de arquivos de API e torna o /etc/resolv.conf disponível no chroot

Código  17: Comando de 'mudança' de raiz

# arch-chroot /mnt /bin/bash

 

Configurar o locale do sistema recém instalado

Semelhante ao referido no item “Configuração do arquivo de configuração de idioma” acima editar o arquivo /etc/locale.gen para localizar o sistema conforme o plano de instalação (descomentar a linha pt_BR.UTF-8 UTF-8). A seguir com o comando locale-gen gera-se os arquivos de localização devidos.

Código  18: Comandos de configuração de localização do sistema instalado

# vi /etc/locale.gen
# locale-gen

 

Criação do arquivo de configuração de idioma

Provendo o arquivo /etc/locale.conf ajusta-se o idioma da interface do Arch Linux

Código  19: Configuração de idioma do sistema instalado

# echo "LANG=pt_BR.UTF-8" > /etc/locale.conf
# export "LANG=pt_BR.UTF-8"

 

Reconfiguração de teclado e caracteres exibíveis

Semelhantemente aos itens “Configuração de teclado” e “Configuração de caracteres exibíveis” anteriores com os comandos loadkeys e setfont configura-se os padrões idiomáticos apropriados para teclado e tela de console

Código  20: Comandos de configuração de teclado e caracteres

# loadkeys br-abnt2
# setfont lat0-16

 

Persistir as configurações

Para tornar persistentes estas configurações, deve-se prover o arquivo /etc/vconsole.conf com os seguintes valores:

Código  21: Conteúdo do arquivo de persistência de configuração de teclado e caracteres

KEYMAP=br-abnt2
FONT=lat0-16
FONT_MAP=

 

Configurar o fuso horário

A configuração de fuso horário é feita pela construção de um link simbólico para o arquivo de time-zone da localização indicada no plano de instalação.

Com o comando a seguir determina-se a existência do arquivo de fuso horário mais apropriado.

Código  22: Exibição de Zonas de Tempo disponíveis

# ls /usr/share/zoneinfo/America

Determinado o melhor arquivo com o comando a seguir constrói-se o link simbólico que configura o fuso horário.

Código  23: Comando de configuração de fuso horário

# ln -sf /usr/share/zoneinfo/America/Sao_Paulo /etc/localtime

 

Sincronização do relógio de hardware

O comando hwclock gera o arquivo /etc/adjtime.

Código  24: Comando de sincronização do relógio de hardware

# hwclock --systohc --utc

 

Configurando o repositório e sincronizando

Editando o arquivo /etc/pacman.conf ao descomentar as linhas abaixo, o sistema poderá executar aplicativos de 32 bits.

Código  25: Edição do arquivo pacman.conf

[multilib]
Include = /etc/pacman.d/mirrorlist

A sincronização de repositório é efetuada com o comando

Código  26: Comando de sincronização com repositório

# pacman -Sy

 

Definir o hostname

Criar o arquivo /etc/hostname com o nome para o host com a linha de comando a seguir

Código  27: Comando de configuração de nome do host

# echo archlinux > /etc/hostname

 

Configurar o arquivo hosts

O arquivo hosts deve ser configurado com o conteúdo abaixo registrado.

Código  28: Configuração inicial do resolvedor de nomes local

127.0.0.1   localhost.localdomain   localhost
::1   localhost.localdomain   localhost

 

Instalar pacotes sudo; autocompletion e grub

Pela utilização do gerenciador de pacotes do Arch Linux deve-se instalar pacotes mínimos importantes à administração e uso do sistema com o comando pacman.

Os pacotes para instalação são o sudo, o bash-completion e o grub, o qual deve inclusive ser configurado, conforme os comandos a seguir.

Código  29: Comandos de instalação e configuração de pacotes básicos

# pacman -S sudo
# pacman -S bash-completion
# pacman -S grub
# grub-install --target i386-pc --recheck /dev/sdb
# cp /usr/share/locate/en/@quot/LC_MESSAGES/grub.mo /boot/grub/locale/en.mo

Dica: Para a busca automática de outros sistemas operacionais em seu computador, instale o pacote os-prober (pacman -S os-prober) antes de rodar o próximo comando.

 

Criação de um ambiente ramdisk inicial

No caso de ser necessária alguma configuração inicial específica, antes do próximo comando deve-se editar o arquivo mkinitcpio.conf.

Código  30: Comando de configuração de ramdisk

# mkinitcpio -p linux

 

Instalação do microcode

Dependendo do processador em uso (Intel ou AMD) a instalação do microcódigo pode ser realizada com um dos comandos a seguir respectivamente

Código  31: Comandos de instalação de microcódigo

# pacman -S intel-ucode
# pacman -S linux-firmware

 

Geração do arquivo de configuração do Grub

Com o comando grub-mkconfig cria-se o arquivo grub.cfg.

Código  32: Comando de configuração do gerenciador de partida

# grub-mkconfig -o /boot/grub/grub.cfg

 

Criar e definir um usuário

Com os comandos useradd e passwd crie um usuário (além do root) para efetuar login no sistema.

Código  33: Comandos de criação de usuário

# useradd -m -g users -G wheel,storage,power -s /bin/bash administrator
# passwd administrator

 

Definir a senha de root

Como o LiveCD provê login automático sem senha, prover uma senha para o usuário root é necessário.

Código  34: Comando de criação de senha do ROOT

# passwd root

 

Edite o arquivo sudoers:

Para incluir os usuários do grupo wheel como permitidos a executar sob sudo, com um editor de textos altere o arquivo /etc/sudoers descomentando a declaração do grupo wheel como mostrado a seguir.

Código  35: Configuração de grupo de sudoers

# nano /etc/sudoers

As linhas

## Uncomment to allow members of group wheel to execute any command
# %wheel ALL=(ALL) ALL

Ficam

# Uncomment to allow members of group wheel to execute any command
%wheel ALL=(ALL) ALL

 

Instalar os componentes de Wi-Fi

Os pacotes wpa-supplicant, networkmanager, e net-tools devem ser instalados.

Código  36: Comandos de instalação e configuração de gerenciamento de rede

# pacman -S wpa-supplicant networkmanager net-tools
# systemctl enable NetworkManager

Uma vez instalados os pacotes, configurar Ethernet ou Wi-Fi.

Verificar os dispositivos de rede reconhecidos com o comando ifconfig, e ativar a interface de rede sem fio se necessário, ou mesmo existente.

Código  37: Verificação de dispositivos de rede instalados

# ifconfig -a

# ifconfig wlp2s0 up

 

Instalar suporte a trackpad (se necessário)

Para instalar o suporte a trackpad deve-se instalar o pacote synaptics.

Código  38: Comando de instalação do controle de trackpad

# pacman -S xf86-input-synaptics

 

Sair de chroot (referido no item 15)

Para sair de chroot basta o comando exit ou a combinação de teclas Ctrl-d.

 

Desmontar as partições (opcional)

Com o comando umount é possível desmontar as partições montadas no processo.

Código  39: Comando de desmontagem de partições

# umount /mnt/var
# umount /mnt/boot
# umount /mnt

Reiniciar o Sistema

Com o comando reboot ou shutdown pode-se reiniciar o sistema que está pronto para a partida desde o(s) disco(s) rígido(s).

Código  40: Comando de reinicialização do sistema

# reboot
ou
# shutdown -r now

Pós-instalação

Como já referido dependendo da aplicação para o sistema diferentes pós-instalações podem ser executadas, incluindo a instalação de pacotes específicos.

Temos a seguir algumas possibilidades de configuração pós-instalação que não necessariamente direcionam, ou limitam, a aplicabilidade de um sistema.

  • Endereço IP fixo
  • Atualização de pacotes instalados
  • Pacote adicionais
    • tree
    • dos2unix
    • openssh-server
  • Ajustes no FS para trabalho em equipe
  • Ajustes do skel e seus componentes
  • Geração de chaves de autenticação RSA para usuários

Segue um breve extrato destes ajustes de configuração, no entanto, para todos os efeitos o plano de configuração deveria conter mais algumas informações relacionadas a seguir.

Plano de Instalação complemento

Endereçamento IP:

Tabela 3: Complemento do plano de instalação

ItemValor
Modo IPestático
Endereço IP192.168.0.9
Máscara255.255.255.0
Broadcast192.168.0.255
Gateway192.168.0.1
DNS 18.8.8.8
DNS 28.8.4.4
DNS 3192.168.0.1

IP Fixo

O Arch Linux por padrão inicia com as interfaces de rede operando em DHCP, isso torna necessário desativar o serviço dhcp e desativar a interface. Com os comandos a seguir estas tarefas são realizadas.

Código  41: Desativação do serviço de DHCP

# ip link set <interface> down
# systemctl stop dhcpcd.service
# systemctl disable dhcpcd.service

Criar o arquivo com as configurações da interface (p. ex.: /etc/netctl/enp0s3) utilizando um editor de textos. O conteúdo de tal arquivo pode se parecer com o mostrado abaixo.

Código  42: Configuração para uso de IP fixo

Interface=enp0s3
Connection=ethernet
IP=static
Address=('192.168.0.9')
Gateway=('192.168.0.1')
DNS=('8.8.8.8' '8.8.4.4' '192.168.0.1')
TimeoutUp=10
SkipNoCarrier=yes

Ativar a configuração e torná-la automática com os comandos

Código  43: Comandos de ativação da configuração de IP fixpo

# netctl start ens32
# netctl enable ens32

 

Atualização do sistema

O gerenciador de pacotes do Arch Linux é o pacman. Para manter o sistema atualizado é necessário a intervalos regulares executar o comando pacman -Syu que efetua o sincronismo com repositórios e as atualizações necessárias.

Pode vir a ser também uma boa prática de manutenção a execução do comando pacman -D -k para verificar a consistência interna da base de dados de pacotes.

 

Instalação de pacotes adicionais

O Arch Linux após instalado não conta com alguns itens que podem vir a ser de extrema utilidade na administração e uso do sistema, devido a isso é extremamente recomendado que alguns sejam instalados, outros são apenas recomendáveis.

Os pacotes de grande importância são openssh e cron.

openssh – Serviço de ssh para acesso remoto ao sistema

Instala-se com o comando pacman -Sv openssh.

cron – Serviço de agendamento de tarefas

Instala-se com o comando pacman -Sv cron, ao ser solicitado o provedor do pacote seleciona-se a opção do repositório core.

Os pacotes recomendáveis são tree e dos2unix.

tree – Comando que exibe de forma visual a árvore de diretórios

Instala-se com o comando pacman -Sv tree.

dos2unix – Comando de conversão do padrão de fim de linha DOS/Mac/Unix

Instala-se com o comando pacman -Sv dos2unix.

vim – Editor de texto melhorado

Instala-se com o comando pacman -Sv vim.

mlocate – Procura arquivos por nome (comando locate)

Instala-se com o comando pacman -Sv mlocate.

 

Ajustes do skel e seus componentes

O diretório /etc/skel, e seu conteúdo, é o modelo para replicação ao criar um novo usuário, portanto personalizar este diretório pode simplificar consideravelmente o esforço de inclusão de novos usuários, que por sua vez poderão personalizar seus diretórios home a seu gosto.

O arquivo .bashrc pode ser editado para conter o seguinte conteúdo:

Código  44: Conteúdo sugeridpoop para o arquivo .bashrc

# Habilita suporte a cores de ls e adiciona aliases uteis
if [ -x /usr/bin/dircolors ]; then
    test -r ~/.dircolors && eval "$(dircolors -b ~/.dircolors)" || eval "$(dircolors -b)"
    alias ls='ls --color=auto'
 
    alias grep='grep --color=auto'
    alias fgrep='fgrep --color=auto'
    alias egrep='egrep --color=auto'
fi
 
# Mais alguns aliases de ls
alias ll='ls -AlF'
alias la='ls -A'
alias l='ls -CF'
 
# Caso vim esteja instalado
locate vim >& null
[ $? ] && alias vi='vim'

 

Ajustes no FS para trabalho em equipe

O comportamento padrão do sistema de arquivos (file system ou fs) pode não ser apropriado para o trabalho em equipes, situação que pode ser alterada com a edição do arquivo /etc/login.defs e com a reconfiguração de direitos de usuários concedendo direito de escrita a grupos.

Código  45: Comando de configuração de UMASK e direitos no file system (FS)

# vi etc/login.defs

Fazendo

      UMASK       0002
# find /home -mindepth 2 | xargs chmod -R g+rw
# find /home -mindepth 2 -type d | xargs chmod -R g+rwxs

 

Geração de chaves de autenticação RSA para usuários

Criar chaves RSA pública e privada dos usuários de uso geral é uma forma de poder utiliza-los em processos automatizados devido à dispensa de fornecimento de senha em acessos remotos.

Para gerar as chaves há o comando ssh-keygen, e para implantar a chave pública em outro servidor há o comando ssh-copy-id.

Gerar o par de chaves de cada usuário estando logado como o usuário, com o comando:

Código  46: Comando de geração de chaves de autenticação RSA

# ssh-keygen -t rsa

Ainda logado com cada usuário, implantar as chaves públicas nos servidores remotos devidos com o comando:

Código  47: Comando de implantação de chave RSa pública em servidor remoto

ssh-copy-id -i ~/.ssh/id_rsa.pub login@servidor

É importante observar que o arquivo id_rsa contém a chave RSA privada e que deve ficar protegido contra acessos indevidos, por isso apenas o proprietário pode ter direitos de leitura sobre ele.

É igualmente importante ressaltar que este processo de autorização de acesso é unidirecional e para que seja iniciado pelo outro servidor deve ser implantada sua chave pública no servidor local.

 

 

Conclusão

Neste ponto o sistema está instalado e operativo, com um mínimo de componentes. Deste ponto em diante o sistema pode ser configurado para aplicações específicas diversas.

 

 

Referências

Arch Linux: Uma distribuição simples e leve. Disponível em <http://archlinux.org>, acesso em 07 de out. de 2018

 

João Pedro. Medium. Instalação e Configuração do Arch Linux. Disponível em <https://medium.com/@galdino1993/instala%C3%A7%C3%A3o-e-configura%C3%A7%C3%A3o-do-arch-linux-625c406e56ff>, acesso em 07 de out. de 2018

 

LOPES, Francisco José. CHAVES PÚBLICAS DE AUTENTICAÇÃO: Criptografia assimétrica. Blá do Chico: São Paulo, 2018. Disponível em <http://bladochico.qaplaweb.com.br/?p=176>, acesso em 9 de out. de 2018

 

MAGNUN. Mind Bending. Configuração Básica do Arch Linux Sem Dor. Disponível em <http://mindbending.org/pt/configuracao-basica-do-arch-linux-sem-dor>, acesso em 07 de out. de 2018

 

Rufus – Crie drives USB bootáveis facilmente. Disponível em <https://rufus.akeo.ie/>, acesso em 07 de out. de 2018

 

Wikipedia. i686. Disponível em <https://pt.wikipedia.org/wiki/I686>, acesso em 8 de out. de 2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *